Razão sangrenta – ensaios sobre a crítica emancipatória da modernidade capitalista e de seus valores ocidentais

Autor: Robert Kurz
Editora: Hedra
Ano: 2010
ISBN: 9788577152094

R$ 59,90

Sobre o autor

Robert Kurz

Lançado na Alemanha em 2004, esta obra consiste numa reunião de quatro ensaios de Robert Kurz, originalmente publicados, respectivamente, nos números 25, 26, 27 e 13 da revista alemã Krisis: “Vinte teses contra o assim chamado Esclarecimento e os ‘valores ocidentais’” (2002), “Ontologia negativa” (2003), “Tábula Rasa” (2003) e “Dominação sem sujeito” (1993). Apesar do intervalo temporal que poderia dar a impressão de um certo distanciamento entre os três primeiros e o último dos textos, eles se encontram intimamente ligados e o laço comum que os une é a crítica ao Esclarecimento ou Iluminismo.

O acirramento das posições acerca do alcance da crítica ao Esclarecimento já vinha se fermentando no interior da Krisis e, ao que tudo indica, teve com o número 27 e o ensaio “Tábula Rasa” o estopim desencadeador da separação e da criação da Exit!. A crítica do Esclarecimento de Kurz, que se encontra no presente livro, pode ser remontada à crítica do trabalho conduzida pelo grupo da revista Krisis, consubstanciada, por exemplo, no Manifesto contra o trabalho, de 1999. Ulteriormente desenvolvida, a crítica do trabalho se ampliou, especialmente nestes três ensaios de Kurz, no sentido de uma crítica do Esclarecimento. Kurz passa a elaborar então uma crítica da ontologia burguesa da história, da ontologia do progresso, do próprio pensamento iluminista enquanto expressão teórica da abstração prática do valor. A esses três artigos, Kurz considerou pertinente agregar um outro mais antigo, “Dominação sem sujeito”, que, dirigindo-se a um dos pilares da construção teórica iluminista, o sujeito, já contém elementos de uma crítica dos fundamentos da modernidade e se relaciona estreitamente com os demais.

Avaliações

Não há avaliações ainda.

Seja o primeiro a avaliar “Razão sangrenta – ensaios sobre a crítica emancipatória da modernidade capitalista e de seus valores ocidentais”

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *